NÚCLEO TECNOLÓGICO MUNICIPAL

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Falta de infraestrutura nas escolas é principal razão para metas do Proinfo não serem cumpridas



Publicado em fevereiro 22, 2013 por HC

Foto: LAB. DA EMEB. JURANDIR LIBERINO DE MESQUITA - SINOP/MT
A falta de infraestrutura nas escolas é a principal razão para o não cumprimento das metas do Programa Nacional de Tecnologia Educacional (Proinfo) no período de 2007 a 2010, de acordo com relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) divulgado na última segunda-feira (19). Segundo a CGU, dos 56 mil laboratórios de informática que deveriam ser entregues no período, pouco mais de 12 mil não foram instalados e 27 mil, ou seja, menos da metade, encontram-se em funcionamento.
O Proinfo é um programa educacional com o objetivo de introduzir as novas tecnologias de informação e comunicação na escola pública para serem utilizadas como ferramentas de apoio ao processo de ensino e de aprendizagem. O programa funciona com parceria entre União, estados e o Distrito Federal.
Pelo programa, os estados e o Distrito Federal são responsáveis pela estrutura para a instalação dos equipamentos. A CGU aponta que eles seriam os responsáveis pela maior parte das não instalações. “Observa-se que apesar das escolas no momento do cadastro para o recebimento de laboratórios declararem a existência de infraestrutura adequada para instalação dos equipamentos, a falta de tal requisito motivou 66,07% das ocorrências de laboratórios entregues e não instalados, o que demonstra fragilidade nos controles da gestão por parte dos estados e dos municípios que receberem o laboratório do Proinfo”, diz o relatório.
Segundo o documento, de 2007 a 2010 foram alocados um total de R$ 690.563.729,15 para cumprir uma meta de 67,5 mil unidades equipadas. Nesse período, foi autorizada a entrega de 56.510 laboratórios, sendo 34.223 urbanos e 22.287 rurais. Desse total, o número de laboratórios não instalados é superior a 12.600, sendo pelo menos 5.550 laboratórios na zona rural e 7.050 laboratórios na zona urbana.
No relatório consta também que pelo menos 4.332 laboratórios são utilizados apenas para outras atividades que não aulas de matérias regulares ou de informática e que pelo menos 13.854 unidades não oferecem treinamento para alunos ou para a comunidade em informática, inclusão digital ou informática na educação.
Para solucionar as questões, a CGU fez uma série de recomendações que incluíam a fiscalização e a exigência de cumprimento de prazos. Com isso, cerca de 55% dos problemas que envolviam as escolas foram solucionados. Consta no documento que “é possível dimensionar que houve uma economia de R$ 1.194.161,30 ao erário decorrente da atuação da CGU para que fossem instalados e utilizados pela escola os laboratórios entregues e que estavam encaixotados”.
Em nota, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pela fiscalização de todos os contratos e adesões aos programas de assistência técnica, diz que os números do relatório tratam-se de uma projeção feita a a partir da visita a 196 escolas e que os problemas “em sua maioria estavam resolvidos quando da apresentação da CGU da auditoria aos gestores” e que “o próprio relatório da CGU demonstra que as irregularidades apresentadas em sua auditoria estavam sobre a égide das autoridades estaduais e municipais responsáveis pelas escolas. Portanto, esses fatos devem ser verificados junto aos dirigentes estatuais e municipais”.
Segundo a autarquia, “atualmente o escopo de atendimento do programa foi ampliado e, além de laboratórios de informática, outros equipamentos como projetores interativos, notebooks e tablets educacionais estão a disposição das redes educacionais”.
Em relação a capacitação, o FNDE informou que “desde de 2006 estamos ofertando cursos de formação para os professores das redes públicas de ensino”.
Edição: Fábio Massalli
Foto: Acrescida somente para ilustrar a matéria, poste por NTM "Maria Teresa da Silveira Gava"
Reportagem de Mariana Tokarnia, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 22/02/2013

http://i.creativecommons.org/l/by-nc-sa/3.0/88x31.png
[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

PNAIC: professores de 46 municípios participam de capacitação no auditório Tião da São Camilo

Iniciou há poucos instantes o treinamento para o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Desde esta segunda-feira até a próxima sexta-feira (22), 88 professores de 46 cidades do Norte de Mato Grosso estarão em Sinop para receber a capacitação que será ministrada por professores da Universidade Federal do Mato Grosso. A informação é do Secretário de Educação Hedvaldo Costa. Sinop foi escolhida pelo Ministério da Educação (MEC), como cidade pólo para as capacitações, discussões e treinamentos do PNAIC. Já no período da tarde, o encontro será a partir das 13h na Escola de Governo. Da terça-feira até a sexta-feira o treinamento também será na Escola de Governo. 

O objetivo central do PNAIC, como salienta o secretário de Educação, é ofertar um conjunto de aprendizado que possibilite a melhoria do processo de alfabetização levando a real alfabetização e letramento das crianças até os 8 anos. “A proposta é que todos os alunos aprendam a ler e escrever até os 8 anos como meta para cumprir o Pacto Nacional de Desenvolvimento da Educação do MEC”, explica Hedvaldo. “Para isso na próxima semana o MEC desenvolve a formação continuada e presencial para os professores com foco na alfabetização na idade certa”. Sinop aderiu ao programa em novembro do ano passado. Na rede municipal oito profissionais serão capacitados como tutores e mais 100 professores irão receber o treinamento para trabalhar diretamente com os alunos do 1º, 2º e 3º ano. 4,5 mil estudantes da rede municipal devem ser atendidos.

Os professores que integram o projeto irão receber uma bolsa formação disponibilizada pelo Sistema Geral de Bolsas (SGB) do Fundo de Desenvolvimento Nacional da Educação do MEC. A bolsa será de R$ 200 para o professor alfabetizador e de R$ 765 para professores tutores. O município terá oito professores tutores e aproximadamente 100 alfabetizadores divididos em 174 turmas.  

Em todo o país, o PNAIC pretende melhorar a formação dos 244 mil professores que trabalham com os três primeiros anos do ensino fundamental, dedicados à alfabetização dos alunos. “Esses primeiros anos são cruciais para o desenvolvimento infantil e a formação apropriada é fundamental nesse estágio”, pontua o secretário. Para estimular o projeto, o MEC também fará a distribuição de materiais didáticos específicos para alfabetização.

Após a implantação do Pacto em todo o país, o MEC também prevê a criação de uma nova prova avaliativa, esta destinada aos alunos do 3º ano do ensino fundamental como forma de medir o nível de alfabetização pós programa. O MEC já aplica duas provas aos alunos do ensino fundamental: a Prova Brasil, direcionada aos estudantes do 5º ano, e a Provinha Brasil aplicada aos alunos do 2º ano e usada como ferramenta interna das escolas para acompanhar a evolução dos alunos. Entre as alterações previstas também está a necessidade das unidades informar ao MEC os resultados obtidos na Provinha. O PNAIC foi lançado em abril de 2012, e, de acordo com a estimativa do Ministério, a meta é que em 2013 todas as redes municipais e estaduais estejam integradas ao projeto.
Post. prof. Nilton Matsui

Fonte: Assecom
Autor: Claudia Lazarotto

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Encontros de Gestão e Motivação para a Rede Municipal de Educação



A Secretaria Municipal de Educação vem realizando encontros com todos os profissionais da educação da rede, com o objetivo de aproximar todos os segmentos da educação às ações desenvolvidas pela equipe técnica, desenvolvendo condições favoráveis para a obtenção de resultados positivos tendo como foco principal o aluno.

Num primeiro momento, foram convidados todos os gestores, diretores, coordenadores pedagógicos, secretários, e num segundo momento com todos os professores e demais servidores das unidades educativas, incluindo todos os profissionais que atuam na Gleba.

Enfatizando ainda, que foram convidados também todos os servidores; professores, motoristas, auxiliares de nutrição e auxiliares de manutenção de infraestrutura, que sendo chamados pelo Processo Seletivo para participar dos encontros.

O prof. Hedvaldo Costa Secretário Municipal de Educação se apresenta, faz uma fala de motivação, das perspectivas e propósitos para 2013, bem como salienta o compromisso de todos para que tenhamos uma educação de qualidade.